Translate

O que procura?

Adwords 1

Últimas Notícias

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Autoridades afastam professora que sugeriu conversa e cintada em aluno “encrenqueiro” em SP

Julio Severo
A Secretaria de Educação de Sumaré, no Estado de São Paulo, afastou uma professora que enviou um bilhete aos pais de um aluno “encrenqueiro” de 12 anos pedindo que eles conversassem com o garoto. Ela disse: “Se a conversa não resolver. Acho que uma cintada vai resolver”.
De acordo com a interpretação do jornal Folha de S. Paulo, a sugestão da professora leva os pais a “partir para a agressão”.
Ela ficará sem dar aulas até a conclusão da sindicância interna, que pode durar até 180 dias.
O caso da professora contrasta com a situação de mulheres de posição elevada, como Dilma Rousseff, Maria do Rosário e Eleonora Menicucci, ambas ministras de Dilma. Todas as três já fizeram declarações públicas a favor do aborto.
Nenhuma delas sugeriu que primeiro se deveria tentar alguma comunicação com o bebê a fim de entender seus sentimentos. Elas foram direto ao ponto: aborto. Nada de conversa. Nada de cintada. Apenas tortura médica e morte para a criança inocente, que nunca demonstrou ser encrenqueira dentro do útero, mas que só por existir contraria a raivosidade ideológica de feministas radicais que perderam a capacidade de enxergar o papel de cuidadora, não de assassina, das mulheres.
Nenhuma das três foi afastada do governo por suas declarações a favor de assassinato de bebês. Nenhum das três passou por sindicância. E a Folha de S. Paulo nunca insinuou que a declaração delas leva as mães a “partir para a agressão” contra os bebês em gestação.
As três estão livres, e defendendo a pena de morte para os bebês em gestação. Mesmo assim, gozam de ampla defesa de jornais como aFolha de S. Paulo.
Contudo, a professora foi afastada, como se ela tivesse imitado as três com alguma sugestão de violência e morte. O consenso na mídia foi unânime: ela é culpada. A Globo, cuja jornalista do Jornal Hoje fez cara feia pública para a professora, parece ter usado o caso para malhar a posição “pró-palmada”, que é o principal obstáculo para a aprovação da Lei da Palmada, que tem o apoio explícito do governo petista e da Rede Globo.
Não é de hoje que o Jornal Hoje incita para o lado animal de sua ideologia. Sempre que pode, o JH tenta incitar sua audiência contra o que chama de “homofóbicos”.
Sem saber, a professora e seu caso, inclusive o aluno e seus pais, estão sendo usados num grande jogo de poder político.
A mesma jornalista e sua chefona Globo nunca fizeram cara feia para as três que acham muito melhor crianças abortadas do que disciplinadas. A professora é culpada; as três não.
Não sei qual é o caso específico da professora e estou sem condições de dizer se o conselho dela foi acertado ou não para sua situação particular, mas sei qual é o caso das três.
A pergunta importante agora é: Se a professora pode ser afastada, o que merecem as três?
Com informações da Folha de S. Paulo.

Nenhum comentário: